terça-feira, 5 de outubro de 2010

Womanity - Thierry Mugler


Hi girls!!


Bom, acho que quando alguém se dispõe a falar de perfumes, deve estar consciente que dará uma opinião íntima, estreitamente ligada à sua vivência. Os aromas em geral nos são percebidos de forma muito singular. Nos remetem a lugares e sensações que somente nós tivemos. A experiência de cada um com esses elementos é única.

Eu juro que tentei! Tentei muito! Tentei entender esse perfume extremamente insano. Sim, insano. Suas notas me deixaram perdida, tonta e no final naúseada. Fui tomada por uma louca enxaqueca e queria acreditar que não era por causa dele. Sim, eu sofro de enxaqueca, mas meu nariz foi treinado por excelência ( risos) a não se deixar adoecer por conta de cheiros, a não ser que sejam definitivamente horrendos.

Quando soube do lançamento bombástico de Womanity, comecei a imaginar o que estaria por trás de tanto estardalhaço. Porque bombástico? Bom, Thierry Mugler não deixa para menos em suas criações. Sempre de caráter inovador, sua característica principal é saber mexer com todos os sentidos a partir de suas obras. E esse veio mais que inovador. Notas de caviar, figo e folhas de figueira. Hã? Caviar? Em perfume? Pois é, também fiquei assim, pensando como seria isso.

Enfim, fui sem muita expectativa de que me agradaria, mas louca de curiosidade. É um perfume para ser experimentado na pele, nunca em lencinhos ou tiras de papel. Ele evolui muito, então o bom é experimentar no corpo e sentir suas notas ressaltarem. A saída é muito, muito, salgada! SALGADA! O tal caviar vem aqui como um pote de sal. Acreditem: é salgado sim! Acho que vou repetir isso umas cem vezes, porque é realmente estranho definir um perfume como "salgado". Depois as notas de figo aparecem e começam a se fundir com o tal salgado. Nossa!! Foi aí que tudo ao meu redor ficou esquisito. Eu tenho loucura por figos e suas notas em cosméticos são tentadoras, mas nessa fusão, não deu certo. Total desarmonia. O final ficou um tanto atalcado, rançoso e mais uma vez, salgado. Pois é, o sal permanece do início ao fim, embora vá diminuindo sua intensidade.

Sir. Mugler queria inovar e conseguiu. Embora para mim não passe de uma inovação bizarra. Nem o frasco, que tem toda uma história por trás, conseguiu me agradar.

Vamos a descrição do site da Fragrantica: "Womanity é uma palavra criada para se conectar, a feminina humanidade ( womanity mulheres + humanidade ) e a cidade. O perfume foi criado como parte deste fenômeno, em um frasco rosa. As ligações entre as mulheres são apresentadas como correntes e anéis na parte superior da garrafa que está decorada com friso de metal com desenho simbólico ( máscaras femininas representando mulheres de todas as gerações ). O design da parte superior do frasco e figuras pode ser interpretado como gótico ou estilo Art Deco."


Até em seu conceito fiquei perdida. O nome, as correntes e máscaras no frasco. Achei bruto, assim como seu conteúdo. Correntes nunca me causam boa impressão. E a tal feminilidade que seria o ápice de sua criação, passou longe de seu propósito.
Não gostei. Na verdade, odiei! Re-experimentei e toda aquela evolução grosseira apareceu novamente. No final das contas ficou um perfume de penteadeira da vovó com data de validade vencida. Sim, algo de podre no ar.


Para quem é uma alucinada por novidades perfumísticas, meu conselho é experimentar, porque ou você vai amar ou odiar, sem meio termo.

Fixação excelente.

Acabou de aterrissar em terras Brazucas a preços tão salgados quanto: Na Sacks a variação fica de R$ 99,90 ( frasco de 10 ml ) a R$ 402,90 ( frasco de 80 ml ).

Bjks
Anna

3 comentários:

Angélica Martins disse...

Eu recebi a amostra desse perfume e tambem nao gostei. Muito forte!

Barbara Bosque disse...

a embalagem é incrivel, pelo menos

tá rolando sorteio lá no blog
http://cosmetictester.blogspot.com
:*

Vivian Oliveira disse...

Nossa, eu amei essa embalagem! Compraria fácil (mas tá bem carinho, né?)
Beijos